Pensamento do Dia...

"É legítimo querer que nos amem por quem somos … mas é nossa a responsabilidade de sermos quem somos…fielmente."

terça-feira, 2 de junho de 2009

O rio da vida...

Era uma vez um riacho de águas cristalinas, muito bonito,que serpenteava entre as montanhas.Em certo ponto de seu percurso, notou que à sua frente haviaum pântano imundo, por onde deveria passar.
Olhou, então, para Deus e protestou:- Senhor, que castigo!
Eu sou um riacho tão límpido, tão formoso, e o Senhor me obrigaa atravessar um pântano sujo como esse! Como faço agora?Deus respondeu:- Isso depende da sua maneira de encarar o pântano.Se ficar com medo, você vai diminuir o ritmo de seu curso,dará voltas e, inevitavelmente, acabará misturando suas águas com as do pântano, o que o tornará igual a ele. Mas, se você o enfrentar com velocidade, com força, com decisão,suas águas se espalharão sobre ele, a humidade as transformará em gotas que formarão nuvens, e o vento levaráessas nuvens em direção ao oceano.Aí você se transformará em mar.
Assim é a vida.
As pessoas engatinham nas mudanças. Quando ficam assustadas, paralisadas, pesadas, tornam-se tensase perdem a fluidez e a força. É preciso entrar pra valer nos projetos da vida, até que o rio se transforme em mar. Se uma pessoa passar a vida toda evitando sofrimento,também acabará evitando o prazer que a vida oferece.Há milhares de tesouros guardados em lugaresonde precisamos ir para descobri-los.Não procure o sofrimento.Mas, se ele fizer parte da conquista, enfrente-o e supere-o.
.
Autor Desconhecido - Retirado da Internet

4 comentários:

Shin Tau disse...

Olha que verdade esta tua partilha ;)

Há uns dias li um texto sobre a importância da escuridão. Fala-se muito da Luz, mas esquecemo-nos que nós vimos da escuridão mais densa de dentro da Mãe, que essa escuridão faz parte de nós. Quanto mais a recusamos, mais ela sente necessidade de vir ao de cimo. Assim é com as dores, quanto mais as recusamos, fingimos que elas ali não estão, maiores se tornam. Lembrtaste das bruxas que não são convidadas para o batizado da Bela Adormecida, amaldiçoam-na? Não será assim com as dores?

Tenho de me ir, adorei esta pequena conversa (monólogo por enquanto).

Beijcoas

Essencialma disse...

Shin Tau,
Também adorei esse teu monólogo que agora transformo em conversa.

Pela minha experiência é mesmo assim como dizes...não ligamos ás dores, mas elas estão lá, e mesmo não querendo elas vão cada vez mais manifestando-se...elas são uma parte de nós, e temos a tendência a achar que se não ligarmos, ou fugirmos para algum sitio, elas ficam ou desaparecem...e não é verdade mesmo que deêm certos periodos de pausa...
Vai chegar uma altura, vai acontecer algo na nossa vida, que as vão trazer de volta, e aí elas voltam com tamanha intensidade, tal como um vulcão adormecido volta à erupção...
E aí somos ultrapassados, não percebemos o que está a acontecer...
Alguns de nós procuram respostas para essas perguntas, começam a perceber que essa acção de esquecer a dor, é a responsável por toda a confusão actual, e que dessa maneira inevitávelmente somos responsáveis por ela.
De outro modo, poderiamos ter acedido a pouco e pouco a essa dor imensa, sem necessidade de uma explosão, agora tão intensa!

E tudo isto só me faz lembrar, que tudo na vida é uma escolha, mesmo as mais subtis, mesmo aquelas de que não temos consciência!

Beijinhos...

Shin Tau disse...

Pois é, também acredito que tudo são escolhas! Mas agora ando a debater essa das escolhas, serão escolhas feitas aqui ou escolhemos tudo lá em cima enquanto essência?

Ainda não tenho resposta, ambas entram em harmonia em alguns aspectos, mas depois há contradições....

Mais um tema para alongar.

Beijocas e até amanhã ;)

Essencialma disse...

Shin Tau,
É mesmo pertinente essa dúvida, acho que vamos ter sempre muitas perguntas em relação a esse aspecto, não sei se algum dia teremos respostas suficientemente esclarecedoras...

Mas eis parte da questão como eu a vejo, acho que lá em cima escolhemos vir trabalhar determinado tipo de emoções...escolhemos a familia para isso mesmo, para nos ajudar nessa missão. Mas depois quando estamos cá, são muitas as escolhas que temos de fazer diariamente...e como muitas vezes não as fazemos de acordo com o nosso ser...elas vão determinar como e quando vamos viver essas situações que escolhemos lá em cima...se fugirmos a determinada situação (escolher por medo de sofrer), então a vida vai tratar de enviar outra situação, que apesar de diferente vai permitir vivenciar essa emoção...e assim será até que um dia não podemos mais fugir, porque a cada escolha por medo, a gravidade da situação vai aumentando...

Mas mesmo assim dentro daquilo que consigo perceber...nos momentos criticos, é dificil perceber afinal como se processa toda esta lógica...

Beijinhos