Pensamento do Dia...

"É legítimo querer que nos amem por quem somos … mas é nossa a responsabilidade de sermos quem somos…fielmente."

sexta-feira, 27 de março de 2009

A raposa...

A minha primeira reacção depois de ler esta história, foi passar à frente tal foi o impacto que teve sobre mim. Pensei, "que parvoice" e fiquei cheia de pena da raposa.
Mas depois, e uma vez que o meu TPC deste mês é "topar-me", reparei que estava a fugir, da tristeza que a história me provocou e da sua mensagem.
Quantos de nós, não nos deixamos levar pelo ruído ensurdecedor do que os outros nos dizem, deixando crescer em nós a raiz do medo, semeada pela palavra dos outros?!
Estamos muito pouco atentos à nossa intuição, damos-lhe muito pouco valor, muito pouco crédito e não a deixamos evidenciar-se, para nos poder demonstrar, que quase sempre é ela que está certa.
.
"Um lenhador acordava todos os dias às 6 horas da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, só parando já noite. Ele tinha um filho lindo de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como animal de estimação e da sua total confiança. Todos os dias, o lenhador — que era viúvo — ia trabalhar e deixava a raposa a cuidar do bebé. Ao anoitecer, a raposa ficava feliz com a sua chegada. Sistematicamente, os vizinhos do lenhador alertavam que a raposa era um animal selvagem, e portanto, não era confiável. Quando sentisse fome comeria a criança. O lenhador dizia que isso era uma grande parvoice, pois a raposa era sua amiga e jamais faria isso. Os vizinhos insistiam: “Lenhador, abra os olhos! A raposa vai comer o seu filho. Quando ela sentir fome vai devorar o seu filho!”
Um dia, o lenhador, exausto do trabalho e cansado desses comentários, chegou a casa e viu a raposa sorrindo como sempre, com a boca totalmente ensanguentada. O lenhador suou frio e, sem pensar duas vezes, deu uma machadada na cabeça da raposa. A raposinha morreu instantaneamente.
Desesperado, entrou a correr no quarto. Encontrou o seu filho no berço, dormindo tranquilamente, e ao lado do berço, uma enorme cobra morta."

1 comentário:

Joana disse...

Amiga, para além de não darmos "ouvidos" à nossa intuição ouvimos em demasiado as pessoas que estão ao nosso redor e que não estão por dentro da situação. Só nós sabemos aquilo que é melhor para nós.
Bjs